O Voleibol Brasileiro no Mundo

Competições, Notícias e Regras Oficiais.

Ary Graça no Brasileiro Master, e Sr Aldo um jovem Senhor.

O presidente da CBV

O presidente da CBV

O Brasileiro Vôlei Master desta sexta com mais de 70 jogos movimentaram o Centro de Desenvolvimento do Voleibol – Saquarema, no torneio masculino, o Ama Vôlei, do Rio de Janeiro, recebeu o reforço do presidente da CBV Ary Graça e se recuperou da derrota na estréia. O time carioca venceu por 2 sets a 0 (25/21 e 25/15) e continua na busca pelo título da categoria 59+. Feliz com a vitória de seu time, Ary Graça preferiu exaltar a alegria de ver o Vôlei Master crescendo.Vários fatores contribuem para que a competição seja um sucesso. Por contar com uma grande organização, o Vôlei Master se torna uma grande festa, uma confraternização, que cresce a cada ano. Eu fico mais feliz de perceber que esse crescimento está garantido, pois temos cada vez mais participantes nas categorias mais jovens. Estes atletas é que darão continuidade a isso tudo – afirma Ary Graça.

Além do presidente da CBV, tem também um jovem Senhor que aos 81 anos, mostra disposição de garoto no Brasileiro, e com a famosa expressão “O esporte não tem idade” não poderia ter personagem melhor. Aldo Menon Cortina, 81 anos, atua até hoje no time master de voleibol do Jundiaiense. Bem preparado fisicamente, ele está em busca do título da categoria 59+ do Vôlei Master 2008. Sem se importar com a idade, Aldo, que começou a praticar o vôlei “desde moleque”, garante que ainda irá disputar muitos Brasileiros .- Essa competição é excepcional, e aqui vivemos voleibol e isso me deixa bastante à vontade. Como quero jogar vôlei até Deus me chamar, espero voltar aqui mais vezes para competir – afirma Aldo.Nascido na segunda metade da década de 20, Aldo dá a receita para a longevidade com saúde. Sempre tive uma vida regrada. Além disso, o esporte foi essencial para a minha vida. Penso no corpo humano como uma máquina. Se não a utilizarmos, ela enferruja e pára de funcionar. Temos sempre que incentivar nosso corpo.

Anúncios

30 de novembro de 2008 Posted by | Notícias | Deixe um comentário

Fora das 04 Linhas…

29 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | 3 Comentários

Boletim Informativo nº 02

 

I TORNEIO MY BRASIL DE VOLEIBOL MASCULINO E FEMININO 2008

 

A  Coordenação  Técnica  do  I

                                                                                                        Torneio  My  Brasil de Voleibol

com  uso em suas  atribuições

 legais  que lhe são conferidas

resolve informar.

Boletim Informativo nº O2

 

Congresso Técnico

 

 

 

 Deliberação sobre os procedimentos e Fases da reunião a serem deliberados durante o Congresso Técnico.


Fases da Reunião

I – Parte Solene. Será realizado pela comissão técnica juntamente com a coordenação geral, fará a abertura solene dos trabalhos, e agradecimentos gerais.

II – Parte Técnica. Definir padrões de condução da competição, elaboração dos grupos e assuntos correlatos.  Realização do Sorteio das chaves preparação da programação, e escala de arbitragem.

III – Parte Administrativa. Definição final dos inscritos nas equipes, acertos definitivos nas fichas de inscrição, pagamento de taxas e assuntos correlatos a administrativos, e assuntos pertinentes que não sejam de objeto de deliberação.

 


 

De se ciência e cumpra-se

Nagoya, 29 de Novembro de 2008

Coordenação Técnica do

I Torneio My Brasil

de Voleibol 2008

 

 

29 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | Deixe um comentário

Ball e o ano especial dos Estados Unidos

 

Loyd Ball

Lloy Ball

O levantador americano Lloy Ball, campeão olímpico e da Liga Mundial e da Copa América este ano, concedeu uma entrevista e entre os assuntos abordados, ele, que jogará mais uma temporada na Rússia, falou do momento da carreira, das conquistas, e do esporte em geral.

 

VÔLEI DOS ESTADOS UNIDOS

Infelizmente, o vôlei nos Estados Unidos não tem o mesmo tratamento que tem no Brasil, mas esperamos que com esta vitória, que nossa federação de vôlei veja e reconheça a importância de um campeonato no país, e ter seus bons jogadores treinando e jogando em casa, assim como os brasileiros, os italianos e os russos. Por causa disto, precisamos viajar o mundo para jogar ligas profissionais. Esperamos que uma liga se desenvolva para que jovens jogadores atuem e apareçam para o futuro.

MELHOR TIME DO MUNDO?
É difícil dizer isto. O vôlei está mudado. Você joga todo o ano, sem pausas. Eu disse antes dos Jogos Olímpicos para a minha equipe que o melhor time nem sempre vence, porque você precisa ter outras coisas para que tudo dê certo. Mas eu realmente acreditei que naquelas duas semanas em Pequim era que nós tínhamos o melhor time da Olimpíada.

VITÓRIAS SOBRE O BRASIL
Para ser honesto, a grande diferença foi a mentalidade de nosso time. Todos dizem que o Brasil teve o melhor time nos último cinco ou seis anos. E eu sou a primeira pessoa a concordar com isto. Acho que os fãs, a mídia, e até mesmo os times e jogadores ficaram impressionados com a velocidade dos brasileiros, com a maneira com que Dante ataca, com a velocidade do Giba e do André Nascimento no ataque. As outras equipes assistiram aos jogos do Brasil como fãs, e se assustaram com isto. O time americano compreendeu que mesmo que o time brasileiro tenha um jogo mais belo do que qualquer outra equipe, um ponto continua a ser um ponto. Um ponto bonito é o mesmo que um ponto feio, um ponto terrível. É a mesma coisa. Nós não ficamos tão oprimidos e fascinados com o belo jogo que o Brasil realizava às vezes, e compreendemos que era apenas um jogo, um ponto. Com isto, nosso time não se empolga ou fica nervoso quando os enfrenta agora.

MOMENTO ESPECIAL DA CARREIRA
Alguns anos atrás, eu decidi que ser o melhor levantador ou jogador de uma competição não importa para mim. O que importa para mim é que o time vença. Se o time vencer a medalha de ouro, e eu não conquistar prêmios individuais, está perfeito. O mais importante são as vitórias, e não estas coisas extras.

RELAÇÃO COM BRASILEIROS
Joguei com Dante dois anos no Modena, então eu conheço ele, a esposa e os filhos dele muito bem. O Marcelinho, eu conheci na Grécia, o considero uma grande pessoa. E com o Giba tenho uma grande amizade, dentro e fora da quadra. Falamos-nos muito. Eu os respeito como jogadores, mas o que é mais importante, os respeito como pessoas.

APOSENTADORIA
Teremos um ano longo aqui na Rússia. Depois da temporada sentarei com minha mulher e com meus filhos e decidiremos o que vamos fazer, se eu continuarei a jogar ou se eu vou parar. Acredito que nos próximos dois ou três anos eu vou parar de vez.

28 de novembro de 2008 Posted by | Grandes Jogadores, História | Deixe um comentário

José Roberto Guimarães é o melhor técnico do ano.

 

Comemoração em Pequim

Comemoração em Pequim

José Roberto Guimarães, treinador da seleção brasileira feminina de vôlei, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim, foi escolhidos pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) como o Melhor Técnico do Ano em esportes coletivos. O vencedor sera homenageado na festa do Prêmio Brasil Olímpico 2008, organizada pelo COB no Teatro do MAM, no Rio de Janeiro, no dia 16 de dezembro.

“Gostaria que 2008 nunca terminasse, pois foi um ano maravilhoso. Ganhamos todas as competições que disputamos e posso dizer que a missão foi cumprida. Receber o Prêmio Brasil Olímpico de melhor treinador de esporte coletivo para mim é uma grande honra, ainda maior em um ano de Jogos Olímpicos e de grandes responsabilidades”, afirmou José Roberto Guimarães. “Pensei que poderia estar bem cotado, pois ganhamos uma medalha de ouro em uma competição olímpica e isso é sempre relevante. Mas, como concorria com gente muito capacitada, vencer foi uma surpresa muito boa. É gratificante receber esse reconhecimento”, afirmou o bicampeão olímpico.

28 de novembro de 2008 Posted by | Notícias | Deixe um comentário

Flash Volleyball Nagahama

Flash Volleyball Nagahama

Flash Nagahama Volleyball

A equipe masculina do Flash Volleiball Nagahama, iniciou sua formação, no verão de 2006 tendo sua idealização por Daniel Giagun e Lissandro Santos, no início era um grupo de amigos, um time com pessoas de diversas nacionalidades, como brasileiros, argentinos, bolivianos, paraguaios, peruanos e japoneses.

No início, e mesmo nos dias de hoje o time é pura diversão, a intenção dos dois amigos de trabalho que queriam no início apenas se divertir ficou mais sério, e formaram então o Nagahama Voleibol pra disputar alguns torneios.

Hoje, o time conta com a maioria de integrantes Brasileiros, o local de treinamentos e bate-bola é no centro esportivo de Azai em Nagahama-Shi, em Shiga-ken, sendo todos muito bem vindos…

No final de 2007, um dos comandantes da equipe retornou ao País de origem, e por este motivo passou o comando da equipe para Níkola Souza, que permanece no comando até hoje.

Segundo Níkola seu responsável, pelo Flash Nagahama Volleyball passaram vários jogadores, alguns até de muito bom nível técnico, sempre contribuindo nos confrontos, e nos ajudando a subir uns bons degraus ( risos…).

O nome de Flash veio nos meados de 2008, e a equipe está com as portas sempre abertas para novos amigos, e para recrutamento de novos jogadores.

Caso você tenha interesse em participar da equipe, para jogar ou amistosos o contato ou informações é o nikolas_br@yahoo.com.br

Veja as formações anteriores…

27 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | Deixe um comentário

Kokusai Dream Girls

A equipe feminina do Kokusai Dream Girls, assim como a Masculina do Telecall/My Brasil, tem sede em na cidade de Toyohashi, na província de Aichi, e realiza seus treinamentos em Toyohashi, a equipe está na ativa já há algum tempo e formada por jogadoras de vários locais do Japão, de Toyohashi, de Nagahama em Shiga, Hamamatsu em Shizuoka, Nagoya em Aichi, e até da longínqua Gunma, e também de várias nacionalidades, estando sendo representado por Célia Yamauti Simabukuro, e tem como auxiliar técnico o Sr. Paulo Shiguetomo, o “Shatio” como é carinhosamente conhecido pela comunidade.

A equipe já vem participando na comunidade, tanto contra equipes brasileiras como japonesas, nos inúmeros Torneios e Campeonatos promovidos no Japão.

Kokusai Dream Team

Kokusai Dream Girls

O I Torneio MY BRASIL de Voleibol Masculino e Feminino de 2008 vai contar também com a valorosa participação do Kokusai Dream Girls, e de várias outras equipes masculinas e femininas, esperando sempre que possa haver mais eventos, e sempre com a participação de mais equipes nas próximas oportunidades, podendo assim melhorar sempre a integração da comunidade, aumentando sempre a competitividade entre os participantes.

Na composição da Equipe, o Shatio, tem como jogadora sua filha, que não tem vida fácil com as exigências da comissão técnica, onde a vontade e garra prevalecem sempre nos jogos da equipe.

Abaixo mais fotos da Equipe.


27 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | Deixe um comentário

Estrangeiros superam Itália no All Star Game

All Star Game Masculino 2008 

 

All Star Game Masculino 2008

 

O All Star Game Masculino foi disputado em Monza, na Itália. A seleção dos estrangeiros superou a Itália por 3 sets a 2, parciais de 17-25, 28-26, 27-25, 31-33 e 13-15.

Quatro brasileiros participaram do evento:

·        Os ponteiros Murilo e João Paulo,

·        o levantador Rodriguinho e

·        o meio-de-rede Renato Felizardo.

O maior pontuador do jogo foi o ponteiro búlgaro Matey Kaziysky com 22 pontos.

Pela seleção italiana, o oposto Mauro Gavotto foi quem mais marcou: 17 pontos.

Humbert Henno, líbero do Resto do Mundo, foi eleito o melhor em quadra.

No decorrer da partida, Murilo deixou a quadra com um estiramento na panturrilha direita e fará exames mais detalhados amanhã para saber a extensão da lesão, o polonês Sebastian Swiderski, o substiuiu.

Entre parênteses o numero de pontos de cada jogador.

Itália: Vermiglio, Alessandro Fei (4), Alberto Cisolla (5), Matteo Martino (14), Vigor Bovolenta (2), Luigi Mastrangelo (1) e Mirko Corsano (Líbero), Meoni, Mauro Gavotto (17), Simone Parodi (16), Andrea Sala (11), Emanuele Birarelli (11), Hristo Zlatanov (4) e Andrea Bari (Líbero).

Resto do Mundo: Mikko Esko (5), Vladimir Nikolov (10), Matey Kaziysky (22), Murilo Endres (5), Bob Bontje (9), Stefan Hubner (3) e Hubert Henno (Líbero). Rodriguinho (1), Igor Omrcen (15), Sebastian Swiderski (1), João Paulo (8) e Renato Felizardo (6).

27 de novembro de 2008 Posted by | Notícias | Deixe um comentário

Yooshi Team

Uma das Equipes participantes do I Torneio MY BRASIL de Voleibol Masculino e Feminino de 2008, e’ o Yooshi Team de Komaki, da província de Aichi.

Yooshi Team Masculino

Yooshi Team Masculino

No início era uma galera que se reunia aos domingos para jogar voleibol, só de brincadeira na quadra do Heiwado, o antigo Itoyokado de Komaki, apenas uma distração para aliviar o stress das longas jornadas de trabalho da semana.

Em dezembro de 2006, parte da turma resolveu levar a brincadeira mais a sério, com isso passou a se organizou para treinar os fundamentos do voleibol.

Além de se reunir para aprender e se divertir, a idéia era também formar um grupo onde todos pudessem participar, opinando e ajudando no crescimento do grupo.

E assim, naturalmente se formou o Yooshi Team, nome escolhido em homenagem a um brasileiro, o Sakurai, que sempre brincava com a turma no Heiwado, e que usava essa expressão nas suas vibrações, contagiando a todos.

As mulheres que no começo eram poucas, e mais ajudavam nos treinamentos, hoje formam um grupo contagiante que já participam de alguns campeonatos.

Yooshi Team

Yooshi Team

Já os meninos participam sempre que possível, de alguns campeonatos e amistosos, e com o passar do tempo o grupo foi se renovando, com a entrada de novos membros.

O Yooshi Team masculino é formado somente por brasileiros, já na equipe feminina há uma grande diversidade de participantes, de vários países, por brasileiras, peruanas e japonesas.

Como destaque na organização da família Yooshi, temos  Marcão e Adriana, que sempre incentivam o time a seguir em frente, mantendo sempre a união do grupo.

Os treinos do Yooshi são em Inuyama ou Komaki, dependendo da disponibilidade das quadras.

O recrutamento de novos jogadores acontece no bate-bola do Heiwado de Komaki aos domingos, caso você queira participar, o contato para amistosos jogos ou informações é o yooshiteam@hotmail.com.

Mais fotos das Equipes.

26 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | Deixe um comentário

Como a FIVB realiza a Estatística?


Estatistica

Estatística com o V. I. S.

O Sistema V.I.S. (Volley-Ball Information System), é uma forma estatística, pelo método de coleta de dados, com orientação, descrição e análise, com a interpretação de dados qualitativos, baseando na utilização dos dados para a tomada correta de decisão, e é usada para calcular as habilidades individuais no decorrer de uma partida de voleibol.

Utilizada nos jogos de voleibol desde 1990 e exigida pela FIVB (Federação Internacional de Volley-Ball) nos torneios internacionais, a estatística se tornou uma ferramenta importante em seus principais campeonatos.

Avalia-se o desempenho técnico dos jogadores em todos os fundamentos do voleibol como o saque, o bloqueio, a recepção e outros. Os jogadores são avaliados em diversos fundamentos, e diferentes habilidades, sendo reconhecidos e recompensados no final de um torneio. Esse sistema é usado para identificar os melhores jogadores nas partidas.


Abaixo um exemplo de como são avaliados alguns dos fundamentos específicos:

  • Melhor Atacante
    Calculada pelo número de pontos obtidos, menos o número de falhas, por números totais de tentativas.
  • Melhor Bloqueador
    O jogador com a maior parte dos bloqueios concluídos, por quantidade realizada pela equipe.
  • Melhor Passador/Defensor
    O jogador com excelentes recepções, por quantidade realizada pela equipe.
  • Melhor Levantador
    O jogador com o maior número de execuções, por números totais de tentativas.

Utilizados para diversos fins, os dados da estatística são muito importantes tanto para o esporte quanto para os próprios jogadores, pois executada de maneira correta, a estatística é bastante útil para os técnicos, que a partir desses dados, podem trabalhar melhor o seu time, avaliando o que precisa ser melhorado em sua equipe, e também podendo premiar o jogador mais eficiente em determinado fundamento.

Deve-se lembrar que uma estatística usada de forma errada, pode causar desconforto entre os atletas, além de injustiçar aqueles que realmente deveriam ser premiados, podendo infinitamente fazer com que a competição perca em brilho e em credibilidade.

O método, que deveria ser usado de forma isenta e tendo como objetivo premiar o atleta, e não prejudicá-lo; não de modo político ou compensatório, e sim fundamentado, por pessoas qualificadas para exercer tal função.

Entendemos que a análise, quando não é feita de forma qualificada, influi diretamente nos objetivos traçados  para a conclusão fiel dos resultados, e assim evita os casos de premiar sem embasamento qualificado, e assim sendo extremamente deselegante e desagradável!

25 de novembro de 2008 Posted by | Orientações Gerais | 2 Comentários

Brasileiros na Seleção do Mundo

Quatro jogadores brasileiros foram convocados para defenderam a seleção do resto do mundo contra a seleção italiana no All Star 2008, que será realizado na cidade de Monza no dia 26 de novembro. Os jogadores convocados que atuam no Campeonato Italiano jogam todo final de temporada contra a Seleção Italiana. Os chamados foram o levantador Rodriguinho, os pontas Murilo e João Paulo Bravo e o central Renato Felizardo.

Além dos brasileiros foram convocados dois búlgaros, um alemão, um checo, um finlandês, um francês, um polonês, e um croata.
A equipe será comandada pelos técnicos Angelo Lorenzetti e Piero Molducci. A seleção italiana ainda não foi definida pelo técnico Andrea Anastasi.

Confira os convocados:

Levantadores: Mikko Esko (Finlândia) e Rodriguinho (Brasil).

Centrais: Jiri kral (Checoslovaquia), Stefan Hubner (Alemanha), Renato Felizardo (Brasil), Rob Bontje (Holanda).

Pontas: Murilo Endres (Brasil), Matey Kasiynski (Bulgária), João Paulo Bravo (Brasil), e Sebastian Swiderski (Polônia).

Opostos: Igor Omrcen (Croácia), Vladimir Nicolov (Bulgária).

Líbero: Hubert Henno (França).

 

 

***Clique nas fotos para aumentar.


25 de novembro de 2008 Posted by | Notícias | Deixe um comentário

Mari fez a escolha Certa?

Marianne Steinbrecher

Marianne Steinbrecher

Uma das principais jogadoras brasileiras da atualidade, Mari já atuou em diversas posições na quadra, mas sua especialização como ponta passadora veio a contribuir para o seu crescimento e amadurecimento

 

Aos 14 anos de idade, Marianne Steinbrecher iniciou sua carreira no voleibol, em um time da cidade de Rolândia, Paraná, onde ela cresceu. Não demorou muito tempo para ela despertar atenção de seu técnico, o Betinho, que logo a indicou para um time em Londrina, o Grêmio Londrinense. Lá, Mari atuou como meio-de-rede e, apesar de ainda ser muito nova, já mostrava toda a sua personalidade forte dentro da quadra.
Suas atuações lhe renderam uma vaga nas categorias de base do Finasa de Osasco, onde inicialmente atuou como meio-de-rede e ponteira. Em 2003 foi para a equipe adulta como oposto ganhando espaço na sua nova função e permaneceu o resto da temporada em quadra.
O técnico de Mari na época, José Roberto Guimarães, ficou impressionado com sua atuação e a convocou para a Seleção Brasileira, onde ela fez partidas excepcionais na saída, chegando a fazer 37 pontos em um único jogo. Em 2005, a jogadora realizou uma cirurgia no ombro, na qual a manteve afastada das quadras por quase um ano.
No seu retorno, Mari decidiu que iria se dedicar por completo como ponteira, tendo esse, seu principal desafio. Saiu do Brasil para ser titular no mais competitivo campeonato de voleibol feminino do mundo, o italiano, onde vestiu a camisa do Scavolini Pesaro. Pelo clube, Mari conquistou três títulos, dois scudettos (2007/2008), e o campeonato nacional.
Mari, que é uma das superaquisições feitas pelo São Caetano/Blausiegel para disputar a temporada 2008/2009, desde o início de sua carreira já atuou como ponta, oposto, meio-de-rede e até mesmo como levantadora, e ainda sim, alternou durante muitos momentos entre as posições, em alguns casos em que foi preciso, mostrando assim, toda a sua técnica, talento e versatilidade como jogadora.
A mudança de posição da Mari foi, sem dúvidas, o maior desafio que ela teve em toda a sua carreira, desafio esse que fez com que ela crescesse muito dentro da sua profissão. Sobre essa mudança, a ponteira do São Caetano/Blausiegel nos declarou:
– Acredito que ter virado ponteira só me trouxe vantagens, pois essa posição de passadora sofre carência tanto no Brasil como no mundo inteiro. Jogar como oposta é mais fácil de fazer, porque não existe uma necessidade de se preocupar com o passe. Quando não quiser atuar mais como ponteira, posso voltar para a saída, pois foi algo que eu sempre fiz. Atuar na ponta abriu meus horizontes, não foi uma escolha. Quando precisou, o Zé virou para mim e disse: “Mari, vai pra ponta!”. Sem nem pensar eu fui! É mais ou menos isso, não tem muito mistério. Essa mudança só me ajudou!
Até que ponto tanta versatilidade pode dificultar a sua adaptação em uma nova posição? Qual a principal diferença de uma atacante de saída para uma atacante de ponta? Qual a maior dificuldade de ser uma ponteira? Como vem sendo a atuação da Mari diante dessas dificuldades? Especialistas em vôlei e, pessoas que trabalharam diretamente com a Mari respondem essas e outras questões.

Atualmente no comando da Seleção Brasileira Juvenil Masculina, o Londrinense Percy Oncken foi o primeiro técnico da Mari no clube Grêmio Londrinense, onde, aos 14 anos ela iniciou, timidamente, sua carreira no voleibol brasileiro.
A Mari chegou até a equipe do Londrina Vôlei Clube, por intermédio de um amigo, o Betinho, que na época era técnico na cidade de Rolândia. Ele falou que tinha uma menina de muito potencial, alta etc. Eu na época estava montando a equipe de Londrina para a disputa da Superliga. Ela chegou de forma muito tímida e aos poucos foi mostrando o seu grande potencial. A partir daí, vimos o despertar de uma futura grande jogadora do voleibol nacional.
Segundo Percy, quando chegou a Londrina para jogar pela primeira vez na Superliga, Mari era muito nova, estava ainda em formação. Sua maior virtude dentro de quadra era o ataque e a segunda maior virtude era estar concentrada antes, durante e depois da ação. Em 2004, Mari foi apontada como a maior revelação do vôlei brasileiro dos últimos 10 anos. Para suprir uma carência da Seleção Brasileira, ela saiu de sua posição original, oposto, e foi para a ponta. Como você avalia essa mudança?
Percy diz que a função de ponta passadora é uma necessidade real do voleibol brasileiro e, com certeza, um dos grandes entraves que poderemos ter nos próximos ciclos olímpicos. Em função disto, acredito que a Mari seja uma aposta bastante alta da comissão técnica da Seleção Brasileira, no intuito de termos uma jogadora com o perfil que o voleibol mundial necessita. E, particularmente, acredito bastante nisto, uma vez que a própria Mari apostou bastante nesta mudança.
O voleibol de alto rendimento vive de bons resultados, e Mari conseguiu um grande e concreto passo na carreira quando fez a opção de jogar na ponta, disputando um dos maiores campeonatos nacionais do mundo – o italiano.
Lá nos tempos de Superliga pelo Londrina, a menina Mari não teve muitas oportunidades de jogar. Porém, na disputa do quinto ao oitavo lugar, essas oportunidades apareceram e ela aproveitou bem, e, foi exatamente neste momento que recebeu o convite para se transferir para uma equipe com ótima estrutura.

25 de novembro de 2008 Posted by | Grandes Jogadores, História | Deixe um comentário

Bernardinho e o novo Ciclo Olímpico

O Técnico Bernardinho

O Técnico Bernardinho

O presidente da Confederação Brasileira de Vôlei, Ary Graça, confirmou a renovação de contrato do técnico Bernardinho à frente da Seleção Brasileira masculina de vôlei. Bernadinho dirige a equipe nacional desde 2001.

“Já está tudo acertado com o Bernardinho para mais um ciclo olímpico. Temos uma ótima relação e excelentes resultados. Portanto, não há motivos para ser diferente”, disse o dirigente durante o Banco Cruzeiro Challenge, evento esportivo que reúne atletas e ex-atletas na ilha de Itaparica, na Bahia.

Segundo Ary, não foi necessário nem assinatura de contrato.

“Nunca precisou disso. Conversamos e já acertamos tudo”.

Nem as recentes derrotas da Seleção Brasileira nas categorias infanto-juvenil e juvenil para a Argentina no Sul-Americano parecem tirar-lhe a tranqüilidade.

“Sobre essas derrotas, tenho duas visões. A primeira, como brasileiro, fiquei chateado por perder, mas foi algo previsto pois estamos montando um time visando ao futuro, com jogadores mais altos. A Argentina foi para essas competições com times do momento. Por experiência própria, já fizemos isso antes e deu certo. Espero que dê certo novamente”, assinalou.

A outra visão é como dirigente.

“Como presidente da Federação Sul-Americana (Ary é o primeiro brasileiro a assumir tal posto), achei bom, pois não interessa a ninguém que haja uma supremacia tão grande de um país no continente como o Brasil vem exercendo”, concluiu.


23 de novembro de 2008 Posted by | Notícias | Deixe um comentário

Premiação para o I Torneio MY BRASIL de Voleibol

Sérgio do My Brasil com um dos Troféus que serão oferecidos
Sérgio/My Brasil e o Troféu oferecido ao Terceiro Lugar Masculino

O I TORNEIO MY BRASIL DE VOLEIBOL, conferirá premiação para os naipes masculino e feminino, oferecendo troféus e medalhas para as equipes campeãs, vice, e terceiro lugares, mas antes vamos entender qual o verdadeiro significado das definições de premiação.

PREMIAÇÃO TROFÉUS E MEDALHAS

O Mérito, que é o reconhecimento da premiação no esporte, na história das premiações esportivas, funciona com o reconhecimento do mérito esportivo, sendo a homologação por entidades do desporto e tendo valor documental em informação digital.

O Torneio esportivo é um evento onde o membro da comunidade atlética se submete ao julgamento de seus pares, o julgamento é uma medida do mérito do atleta.

Hoje, todas as instituições organizadoras de campeonatos auferem méritos de validade, possuem web-site, e outras formas de comunicação digital.

Com o esporte institucionalizado internacionalmente, o reconhecimento esportivo deve necessariamente ser DOCUMENTADO pela entidade representativa.

Assim, o troféu tem um valor comemorativo simbólico, por mais que tenham validade emocional para o ganhador, o troféu, medalha ou placa têm valor simbólico, o REGISTRO DOCUMENTAL do mérito esportivo confere a este o real valor.

Não servindo para atestar o mérito real do atleta, pois este só se confere através de registro documental, reconhecido por entidade estabelecida.

O Circuito NipoBrasileiro de Voleibol, por meio do I TORNEIO MY BRASIL DE VOLEIBOL MASCULINO E FEMININO 2008, através dos sites https://nipobrasileiro.wordpress.com/ , e da sua página no site de relacionamento ORKUT, http://www.orkut.com/Main#Profile.aspx?uid=9320428849904987997 , conferirá o Mérito desportivo por meio de publicação.

Abaixo a Premiação que será conferida no Torneio:

Medalhas do Torneio Feminino

Medalhas do Torneio Feminino

Modelo de Troféu do Torneio Feminino

Modelo de Troféu do Torneio Feminino

Medalhas do Torneio Masculino

Medalhas do Torneio Masculino

Modelo de Troféu do Torneio Masculino

Modelo de Troféu do Torneio Masculino

22 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | 1 Comentário

Boletin Informativo 01


A Coordenação Técnica do I

Torneio My Brasil de Voleibol

com uso em suas atribuições

legais que lhe são conferidas

resolve informar.

Boletim Informativo nº O1

Sobre a participação no Congresso Técnico, que se realizará no dia 07 de dezembro de 2008, este que precederá o início das competições será realizado, com a presença do técnico ou responsável pela equipe, para a realização do sorteio e composição dos grupos, e dirimir as dúvidas que possam haver, acertar detalhes e procedimentos técnicos, administrativos e arbitrais a serem adotados durante a competição, a fim de adequar os jogos as reais finalidades e peculiaridades da comunidade.

 

  • Horário do Congresso Técnico 08hr30min.

 

Sobre o Cerimonial de Abertura, e considerado atividade oficial do Torneio e será realizado impreterivelmente no horário estipulado, caso a Equipe não se fizer representada será automaticamente impedida de participar da competição.

 

  • Horário do Cerimonial de Abertura 09hr00min.

Durante o Cerimonial de Abertura, será divulgado a ordem dos Jogos, no inicio da competição, que iniciarão no horário estipulado previamente para que não ocorra atrasos.

 

  • Horário do Inicio da Competição 09hr30min.

 

 

 

De se ciência e cumpra-se

Nagoya, 21 de Novembro de 2008

Coordenação Técnica do

I Torneio My Brasil

de Voleibol 2008

 

 

20 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | Deixe um comentário

Instruções de Arbitragem

Autoridades, Responsabilidades e Competências:

Tempos e substituições

Tempos e substituições

24.  SEGUNDO ÁRBITRO

24.1  LOCALIZAÇÃO

O segundo  árbitro  desempenha suas funções  de pé, fora da quadra de

jogo, próximo ao poste, no lado oposto e de frente para o primeiro árbitro.

24.2  AUTORIDADE

24.2.1  O  segundo  árbitro  é  o  assistente  do  primeiro  árbitro,  mas

também tem sua própria competência.

O  segundo  árbitro  deve  substituir  o  primeiro  árbitro,  se  ele  ficar

impossibilitado de continuar seu trabalho.

24.2.2  O  segundo  árbitro  pode,  sem  apitar,  também  sinalizar  as  faltas

fora  de  sua  competência,  porém  não  deve  insistir  nelas  junto  ao  primeiro

árbitro.

24.2.3    O segundo árbitro controla o trabalho do(s) apontador(es).

24.2.4  O  segundo  árbitro    supervisiona  os  membros  das  equipes  no

banco e relata ao primeiro árbitro toda conduta incorreta.

24.2.5  O  segundo  árbitro  controla  os  jogadores  na  área  de

aquecimento.

24.2.6  O  segundo  árbitro  autoriza  as  interrupções,  controla  suas

durações e rejeita solicitações indevidas.

24.2.7  O  segundo  árbitro  controla o  número  de tempos  e substituições

de  cada  equipe  e  informa  ao  primeiro  árbitro  e ao  técnico  em questão  o  2º

tempo e a 5ª e a 6ª substituições.

24.2.8  No  caso  de contusão  de um  jogador,  o segundo árbitro  autoriza

uma  substituição  excepcional  ou  concede  um  tempo  de  recuperação  de  3

minutos.

24.2.9  O  segundo  árbitro  verifica  as  condições  do  piso,  principalmente

na  zona  de  frente.  Durante  o  jogo,  ele  também  verifica  as  bolas  para  que

sempre preencham as condições regulamentares.

24.3.1  No  começo de  cada set,  na mudança de  quadra no  set decisivo

e  quando  necessário,  ele  verifica  que  as  posições  reais  dos  jogadores  na

quadra correspondam àquelas da folha de formação.

24.3  RESPONSABILIDADES

24.3.2  Durante o jogo, o segundo árbitro decide, apita e sinaliza:

24.3.2.1 penetração na quadra do adversário e o espaço sob a rede;

24.3.2.2 faltas de posição da equipe receptora;

24.3.2.3 o  contato  faltoso do jogador com a  rede em sua parte inferior e com

a antena do seu lado da quadra;

24.3.2.4  o  bloqueio  completo  dos  jogadores  da  linha  de  trás  ou  a  tentativa

de  bloqueio  do  Líbero;  ou  o  ataque  faltoso  dos  jogadores  de  trás  ou  do

Líbero

24.3.2.5 o contato da bola com um objeto fora do jogo.

24.3.2.6  o  contato  da  bola  com  o  solo,  quando  o  primeiro  árbitro  não  está

em posição de ver o contato.

24.3.2.7 a bola que cruza a rede total ou  parcialmente por fora do espaço de

cruzamento para a quadra adversária ou toca a antena do seu lado.

24.3.3  No final da partida, ele/ela assina a súmula.

Sinais Oficiais
Sinais Oficiais

Ao final do jogo, pede aos capitães das equipes para assinar a súmula, e recolhe a bola do jogo.


20 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | 4 Comentários

REGULAMENTO

REGULAMENTO GERAL

Art. 1º – Este Regulamento é o conjunto de normas e disposições que regerá a competição do I Torneio My Brasil Masculino e Feminino de 2008. Sendo que para todos os fins, todos os participantes deverão ser conhecedores deste Regulamento, ficando sujeitos a todas as suas disposições e às penalidades que deles possam emanar.

Art. 2º – São objetivos do I Torneio My Brasil Masculino e Feminino de 2008:

I –  Promover a integração sócio-esportiva entre várias representações e as pessoas que as integram, proporcionar o aprimoramento dos talentos esportivos, propiciando o desenvolvimento integral da pessoa humana como ser social,

II – Contribuir para o pleno exercício dos valores culturais e esportivos dos recursos humanos disponíveis, especializando-os para o rendimento desportivo, criando condições para a melhoria e qualificação do esporte, abrangendo aspectos de gestão e orientação correta da prática esportiva.

I – DOS ÓRGÃOS

Art. 3º – Serão reconhecidos pelos participantes como autoridades, dentro de suas funções a Coordenação Geral e Comissão Técnica.

II – COMPETÊNCIA

Art. 4º – À Comissão Organizadora cabe a gestão da Competição com todos os poderes necessários para zelar pela sua lisura e legalidade.

Art. 5º À Comissão Técnica caberá:

a) Cumprir e fazer cumprir todos os itens do presente Regulamento;

b) Organizar a competição, e dirigi-los de acordo com as determinações da Coordenação Geral, deste Regulamento e Regras adotadas pela Confederação Brasileira de Voleibol;

c) Elaborar a programação, e designar os horários das partidas, aprovar os resultados das partidas e providenciar, a divulgação dos mesmos;

d) Tomar decisões, quando houver necessidade, em assunto de natureza técnica;

e) Resolver os casos omissos.

III – DA INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO

Art. 6º – A inscrição de atletas, técnicos será feita mediante preenchimento de formulários fornecidos pela Comissão Organizadora.

§ Único – A Comissão Organizadora eximir-se-á de qualquer problema de saúde ocorrido com quaisquer atletas advindo de problemas pré-existentes ou durante a competição.

IV – FORMA DE DISPUTA

De 03 a 05 Equipes: (Fase Única) Será disputado em forma de grupo único através de sorteio, e será disputado em sistema de rodízio em um turno. A Classificação Final será efetuada pela pontuação das equipes ao final do turno.

De 06 a 08 Equipes: As Equipes serão divididas em 02 Grupos, “A e B”, será disputado em sistema de rodízio em um turno, classificando os 1º e 2º Lugares de cada Grupo, para a 2º Fase, seguindo com o cruzamento olímpico e subseqüentemente realizando-se as Finais.

V – CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO

O Sistema de Pontuação para classificação no Grupo será:

  • 02 pontos por vitória;
  • 01 ponto por derrota;
  • 00 ponto por W.O. (Walk Over).

Em caso de empate entre 02 Equipes, o critério de desempate será o confronto direto.

Em caso de empate entre 03 Equipes, o critério de desempate será:

  • Sets Average: (divisão dos sets ganhos por sets perdidos, a equipe que obtiver um quociente Maior será considerada Vencedora, entre as Equipes empatadas).
  • Pontos Average: (divisão dos pontos ganhos por pontos perdidos, a equipe que obtiver um quociente Maior será considerada Vencedora, entre as Equipes empatadas).
  • Sorteio.

VI – A SOLENIDADE DE ABERTURA

Art. 7º – A Solenidade de Abertura deverá ser realizada no local de Competição, participando obrigatoriamente, os representantes de todas as equipes inscritas.

§ 1º – A Solenidade de Abertura é considerada atividade oficial da Competição.

§ 2º – Cada equipe deverá se apresentar no Cerimonial no horário estipulado:

VII – DOS PRÊMIOS

Art. 8º – A responsabilidade das premiações é da Comissão Organizadora, oferecido pelo My Brasil.

§ 1º – A Cerimônia de entrega de troféus ocorrerá imediatamente após a realização das partidas Finais.

VIII – DAS COMPETIÇÕES

Art. 9º – As competições serão regidas pelo presente Regulamento, pelas Notas Oficiais, pelas Regras Oficiais, sem contrariar este Regulamento, e as partidas serão realizadas em 02 Sets Vencedores de 25 pontos, sendo que o Set desempate até 15 pontos com a diferença mínima de 02 pontos.

§ 1º – Quando um integrante for expulso ou desqualificado, estará suspenso por uma partida.

Art. 10º – Os jogos terão início à hora fixada, sendo considerada perdedora por ausência (WO) a equipe que não se apresentar em condições de jogo (uniformizada e com atletas e técnicos no horário estipulado, não haverá tolerância alguma de tempo.

Art. 11º – Toda equipe perdedora por WO, poderá continuar na disputa, sendo que no jogo em questão, o placar será de 02 Sets a zero, (25×00, 25×00), para a Equipe presente.

Art. 12º – É obrigatória a participação do representante no Congresso Técnico.

IX – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 13º – O responsável pela Equipe á representará, e sendo este o responsável pela:

  • Conduta dos integrantes da Equipe dentro dos recintos de competições e demais locais onde comparecerem;
  • Conservação dos locais de competições;
  • Avarias causadas ao patrimônio de que se utilizarem.

Art. 14º – Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora.

20 de novembro de 2008 Posted by | Temporada 2009 | 1 Comentário

Debaixo do uniforme espanhol, Marlon, um coração brasileiro

Marlon defendendo a seleção espanhola

Marlon defendendo a seleção espanhola

O sotaque é de paranaense misturado com espanhol. A camisa é da Espanha, mas ele garante que o coração é brasileiro. Este é Marlon Palharini, ponta da seleção espanhola que nasceu em Jandaia do Sul (PR), e iniciou como atleta em Apucarana com o Técnico Adilson, o Sassá, mas há dois anos defende o país em que seus avós nasceram.

Marlon experimentou a sensação de jogar contra o Brasil pela primeira vez nos três amistosos na Espanha, no início da excursão à Europa. Os brasileiros venceram as três partidas por 3 sets a 0.

“Quando fiquei sabendo que enfrentaria o Brasil, pensei que seria difícil. Mas tentei esquecer quem estava do outro lado e encarei como um jogo contra amigos. Até porque conheço vários da seleção brasileira, como o Murilo e o Sidão. Joguei com alguns no Banespa e outros enfrentei em Campeonatos Brasileiros de Seleções”, conta Marlon, que jogou no no Banespa em 2000, uma temporada em São José dos Campos (SP) e foi para a Espanha em 2003.

“Um ano depois que cheguei à Espanha o técnico da seleção soube que eu tinha dupla cidadania e me convocou. Meu coração é brasileiro, aqui eu fui criado. Mas quero ajudar os espanhóis, que me deram uma oportunidade. Sinto-me agradecido”, diz o jogador, que confessa: “A seleção do Brasil é a melhor do mundo. No fundo, sinto certa inveja de quem estará do outro lado da quadra”.

O pai e a mãe de Marlon admitem que ainda não saiba para quem os dois torcerão. “Eles são fanáticos pela seleção brasileira. Além disso, não imagino meu pai levantando na torcida do Brasil para comemorar um ponto da Espanha. Acho que eles também estão vivendo esse dilema”, diz o jogador.

Marlon explica que a Espanha está passando por um processo de renovação desde a chegada do técnico italiano Andrea Anastasi. Apenas quatro jogadores desta equipe – incluindo Marlon – são remanescentes da campanha do último Campeonato Europeu.

“Estamos nos preparando para a Liga Européia, uma competição menos importante do que o Campeonato Europeu, disputada por seleções que não jogam a Liga Mundial. O time é novo e não tem muita experiência de jogar junto. O principal nesses amistoso contra o Brasil é pegar confiança”, explica.

 

20 de novembro de 2008 Posted by | Notícias | Deixe um comentário

Weber é o novo treinador da Argentina

Weber é o novo treinador da Argentina

Weber é o novo treinador da Argentina

Só faltava a confirmação. E a notícia chegou. Javier Weber é o novo treinador da Seleção de Vôlei da Argentina, o Conselho de Administração aprovou a contratação de Weber. A estrada foi inevitável. Weber e a seleção viriam a estar juntos, mais cedo ou mais tarde. Mas foi o que aconteceu agora, depois do atual treinador do Bolivar, cumprir o seu quinto ano como treinador, depois de os seus títulos no Brasil (com a UNISUL), Grécia (com Panathinaikos), e da Copa da Argentina (com Bolívar) nos últimos dois anos. Javier Weber fará, como fazem vários treinadores no mundo, treinará a seleção e o Bolivar. Em ambos os casos, juntamente com Marcelo Tinelli, seu auxiliar. Sua primeira competição oficial com a Argentina será na Liga Mundial 2009, por ocasião do regresso da equipe nacional da competição. Foi a segunda ocasião em que Weber foi um candidato para o cargo na equipe da Argentina. No primeiro, em 2005, e Jon Uriarte, foi eleito para o cargo que ocupou até o meio deste ano. Weber e seu auxiliar Tinelli, construíram uma alquimia bem sucedido no Bolivar, e ainda não houve qualquer comunicação oficial, quanto serão anunciados numa conferência de imprensa para os próximos dias. “Neste momento sinto uma grande felicidade, porque, para qualquer treinador, orientando a seleção de seu país é um sonho. Desta forma procuram a unidade do vôlei, através da possibilidade de levar a seleção para as pessoas, os clubes e os treinadores. Agradeço aos líderes que tornaram possível a tomar este passo importante na minha carreira e também, porque ambos optaram pela comunhão de interesses que procuram o melhor para o voleibol argentino”, disse o novo treinador nacional, em comunicado oficial. O vôlei Argentino inicia um novo caminho, na história, a Argentina garantiu uma medalha de bronze dos Jogos Olímpicos de 1988, quando Weber fazia parte da Equipe, no mesmo dia que a Argentina, anos antes, tinha vencido o seu primeiro Sul-Americano Juvenil em 1980. E agora, a confirmação de Weber como treinador da equipa que traz uma nova perspectiva para uma seleção que tem um substituto nos últimos anos e que necessita, a partir de agora, para construir resultados a médio prazo. Por agora, o Federacão Argentina anunciou que os dois principais objetivos será o Campeonato do Mundo de 2010 na Itália e, claro, os Jogos Olímpicos de Londres 2012.

20 de novembro de 2008 Posted by | Notícias | Deixe um comentário

Videos de jogadores

Serginho (Brasil)

Dante (Brasil)

Marshall (Cuba)

Grbic’ (Sérvia)

Giba (Brasil)

Priddy (USA)

Kaziyski (Bulgária)

Stanley (USA)

S’widerski (Polônia)

Fei (Itália)

Miljkovic (Sérvia)

Despaigne (Cuba)

19 de novembro de 2008 Posted by | Grandes Jogadores | Deixe um comentário