O Voleibol Brasileiro no Mundo

Competições, Notícias e Regras Oficiais.

Brasil X Sérvia

Números do jogo

Brasil

Ataque – 55 pontos
Contra-ataque – 10 pontos
Bloqueio – 16 pontos
Saque – 8 pontos
Erros do adversário – 21 pontos

Atuações
Leandro Vissotto – 29 pontos: 24 de ataque, 4 de bloqueio e 1 de saque
Murilo – 15 pontos: 13 de ataque e 2 de bloqueio
Lucas – 15 pontos: 10 de ataque, 4 de bloqueio e 1 de saque
Giba – 13 pontos: 9 de ataque, 1 de bloqueio e 3 de saque
Sidão – 11 pontos: 8 de ataque e 3 de bloqueio
Bruno – 6 pontos: 1 de ataque, 2 de bloqueio e 3 de saque

Sérvia
Ataque – 43 pontos
Contra-ataque – 11 pontos
Bloqueio – 11 pontos
Saque – 4 pontos
Erros do adversário – 38 pontos

Atuações
Miljkovic – 28 pontos: 25 de ataque, 1 de bloqueio e 2 de saque
Stankovic – 10 pontos: 7 de ataque e 3 de bloqueio
Podrascanin – 9 pontos: 4 de ataque, 4 de bloqueio e 1 de saque
Janic – 9 pontos: 8 de ataque e 1 de bloqueio
Kovacevic – 5 pontos de ataque
Nikic – 3 pontos de ataque
Grbic – 2 pontos, 1 de bloqueio e 1 de saque
Starovic – 2 pontos: 1 de ataque e 1 de bloqueio
Geric – 1 ponto de ataque

Anúncios

31 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Histórico Karch Kiraly vira assistente e analisa nova função

Considerado por muitos o melhor jogador de voleibol de todos os tempos

Considerado por muitos o melhor jogador de voleibol de todos os tempos

A quadra do ginásio do Maracanãzinho estará dourada durante este fim de semana. Considerados por muitos o melhor jogador de voleibol de todos os tempos, o norte-americano Karch Kiraly é o atual assistente-técnico da seleção dos Estados Unidos.

E a primeira etapa do Grand Prix terá um encontro de ícones do voleibol que fizeram história. Do lado norte-americano, Kiraly é o único ex-atleta que tem medalhas olímpicas de ouro na quadra (Los Angeles/84 e Seul/88) e na praia (Atlanta/96, ao lado de Kent Steffes). Do lado brasileiro José Roberto Guimarães, campeão como técnico em Barcelona/92, com a seleção masculina, e em Pequim/2008, com a seleção feminina.

Apesar do brilhantismo, Kiraly diz, com modéstia, o que o desafiou a aceitar ser assistente-técnico da equipe dos Estados Unidos.

– A minha primeira motivação foi poder trabalhar com um grupo tão talentoso e com tanta vontade de evoluir. A segunda foi poder trabalhar com o McCutcheon. Ele é um dos melhores técnicos do mundo em todos os esportes – contou Kiraly que também é só elogios para o técnico brasileiro bicampeão olímpico.

– O Zé Roberto é um treinador fantástico. Ser campeão olímpico com os homens e com as mulheres é muito complicado. Tarefa que ninguém conseguiu até hoje. Ele é único – elogiou o norte-americano.

Jogar no Rio de Janeiro, especialmente no Maracanãzinho, só traz boas recordações para Kiraly.

– Em 1977, joguei aqui no Mundial Juvenil. A competição também foi realizada em São Paulo e em Belo Horizonte. Lembro muito bem que nossa equipe não conseguiu chegar entre os quatro primeiros. Esse ginásio é maravilhoso, tem uma energia fantástica e os torcedores são muito entusiasmados – lembrou Kiraly.

Na comissão técnica desde março, Kiraly diz que o Grand Prix servirá como teste para a nova geração dos Estados Unidos.

– Serão bons testes. Não conhecemos a seleção da Alemanha, que tem excelentes jogadoras. Jogamos duas vezes contra Porto Rico nesta temporada, vencemos uma e perdemos outra. Já o Brasil não temos o que falar. Jogamos na Copa Pan-Americana, e perdemos. Será uma competição forte – analisou Kiraly.

A praia agora é só diversão para o norte-americano.

– Só jogo na areia por lazer. Não tem como mais jogar profissionalmente. Porque? Estou velho – disse o ex-atleta de 45 anos, que quando questionado sobre a equipe favorita para a conquista do título do Grand Prix não tem dúvida ao afirmar: – O Brasil. Apesar da renovação esta seleção está acima de todas as outras.

Os Estados Unidos estrearão no Grand Prix contra a Alemanha nesta sexta, a partir das 13h.

31 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | 1 Comentário

Brasil estreia com vitória sobre Porto Rico no Grand Prix

Atual campeã da competição, a equipe de Zé Roberto não encontra dificuldades contra as caribenhas. A Alemanha é a próxima adversária, às 10h deste sábado

Atual campeã da competição, a equipe de Zé Roberto não encontra dificuldades contra as caribenhas. A Alemanha é a próxima adversária, às 10h deste sábado

A seleção brasileira adulta feminina de vôlei estreou com vitória no Grand Prix 2009, na manhã desta sexta-feira (31.07). O Brasil derrotou Porto Rico por 3 sets a 0, com parciais de 25/22, 25/17 e 25/17. Neste sábado (01.08), a equipe brasileira jogará contra a Alemanha, a partir das 10 horas, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, na segunda rodada do grupo A. O jogo será transmitido ao vivo pela TV Globo.

Após o jogo entre Brasil e Alemanha, os Estados Unidos enfrentarão Porto Rico, a partir das 13 horas. Neste domingo (02.08), às 10 horas, a seleção brasileira, atual campeã olímpica, jogará contra as norte-americanas, prata em Pequim.

Pelo grupo C, em Ningbo, na China, a seleção da Rússia estreou superando a Coréia do Sul por 3 sets a 0 (25/23, 25/23 e 25/15) após 1h10. A sul-coreana Kim Yeon-Koung foi a principal pontuadora do jogo, com 19 acertos. Pela equipe russa, Ana Makarova e Tatiana Kosheleva marcaram 16 pontos, cada.

Na preliminar, a China venceu a República Dominicana por 3 a 0 (25/12, 25/18 e 25/19) em 1h01. A chinesa Ming Xue marcou 15 pontos e foi a maior pontuadora da partida. Pelo time caribenho, Bethania de La Cruz fez 11 pontos.

As equipes:

BRASIL
Dani Lins, Sheilla (13), Fabiana (10), Thaísa (6), Mari (5) e Sassá (5) – Líbero – Fabi. Entraram Ana Tiemi (2), Joycinha (2), Natália (1), Regiane (2) e Carol Gattaz. Técnico: Zé Roberto Guimarães.

PORTO RICO
Mojica (4), Alvarez (3), Rosa (8), Oquendo (4), Sheila Ocasio (7) e Áurea Cruz (10) – Líbero – Debora Seilhamer. Entraram: Karina Ocasio (8), Tatiana (1) e Eva Cruz. Técnico: Carlos Cardona.

31 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Orientações Gerais, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Serginho espera que prêmio de MVP da Liga Mundial valorize a função de líbero

Segundo ele, Brasil não dá o valor merecido para quem atua na posição

Segundo ele, Brasil não dá o valor merecido para quem atua na posição

Serginho voltou ao Brasil com as mãos cheias. De um lado, o troféu do octacampeonato da Liga Mundial. Do outro, o prêmio de melhor jogador, que prefere não enaltecer. Para ele, é mais importante falar sobre o primeiro título da renovada seleção. Porém, espera que o seu triunfo individual ajude na valorização da posição de líbero no país.

– Fico honrado, mas deixo um pouco de lado a conquista individual. Só quero que esse título sirva para valorizar os líberos. Aqui, não somos valorizados. Somos respeitados, mas não valorizados. Espero que esse meu título ajude no crescimento da posição – disse ele, agarrado ao troféu da octa, conquistado em uma final  emocionante contra a Sérvia.

Após defender o Piacenza, da Itália, Serginho percebeu que os líberos são vistos de forma grandiosa no exterior. Segundo ele, a posição é vista como indispensável por lá. Atualmente contratado pelo São Bernardo, de São Paulo, o jogador contou que é reconhecido por ter conseguido visibilidade quando atuava no estrangeiro e por ser integrante da seleção. Os demais líberos brasileiros, porém, ainda sofrem com a desvalorização.

– A diferença é gigantesca. Lá fora, os líberos são muito valorizados. Aqui temos ótimos líberos, que nem mencionados são. Agora que viram que um líbero também pode desequilibrar uma partida, espero que deem o devido valor que a posição merece.

29 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Murilo e Sidão se apresentam ao Sesi de olho em duelo contra amigos da seleção

Sidão e Murilo são só sorrisos na apresentação ao Sesi

Sidão e Murilo são só sorrisos na apresentação ao Sesi

Foram anos de sacrifícios e saudades da família. Nesta quarta-feira, finalmente os atacantes Murilo e Sidão puderam selar oficialmente a volta ao vôlei brasileiro. Os jogadores, que atuavam na Itália, se apresentaram ao Sesi, equipe paulista comandada pelo técnico Giovane Gávio

Morar perto da família, no entanto, não foi a única motivação para trazer as estrelas ao país. Além de sentir o carinho de entes queridos e dos fãs, os jogadores estão empolgados com a ideia de enfrentar os companheiros de seleção. Um dos duelos mais aguardados será contra o Pinheiros, que repatriou Giba, Rodrigão e Gustavo.

– O vôlei tem tudo para dar um salto de qualidade como nunca foi feito no Brasil. Na seleção a gente já faz previsões. Em um mês, deixaremos de ser companheiros para virar adversários. Vai ser um grande espetáculo, e todos vão ganhar muito com isso – contou Murilo.

O jogador, aliás, tem motivos a mais para festejar o acerto com o Sesi. Murilo confessa que está ansioso para enfrentar o irmão Gustavo no Brasil. Na Itália, eles se acostumaram a ficar cara a cara nos jogos entre o Marerata (do ponteiro) e o Treviso (do meio-de-rede).

– Não vamos dar moleza. Na Itália, ele sempre tentava me bloquear, e eu sempre fazia algo para furar o bloqueio dele. A gente lutou muito um contra o outro, quem perdia pagava o jantar. Lá, estava 9 a 1 para ele, mas aqui a gente vai começar do zero – brincou Murilo.

Além disso, o atacante, um dos líderes da nova geração verde e amarela, vive a expectativa de finalmente oficializar a união de dez anos com Jaqueline. A atleta, que deixou o vôlei italiano para jogar no Osasco, morará com ele na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo.

– O lado pessoal pesou bastante. Depois de dez anos, vamos nos casar e ajeitar nossa vida, ter nosso apartamento. A gente tem conversado sobre essa coisa de morar juntos. Será que vamos brigar muito? (risos). Passamos muito tempo priorizando o lado profissional, não estávamos mais aguentando. Agora, vamos no cartório ver como é o processo para casar no civil. Casaremos já, mas não vamos fazer festa – revelou.

Já o paulistano Sidão não vê a hora de ficar perto dos pais, que moram em Taubaté.

– Desde que eu fui para a Itália, tivemos pouco contato. Era uma semana de folga e logo depois a seleção. Fiquei quase dez meses sem ver minha família. Agora, estão com um sorriso de orelha a orelha.

A alegria também deu o tom das palavras de Giovane Gávio. Após passar por momentos de apreensão com o fim do Joinville, o técnico disse que o Sesi já planeja um trabalho de longo prazo e sonha com o título da próxima Superliga.

– Treino todo dia para ganhar. Lógico que temos o pé no chão, mas o time é competitivo e tem condições de vencer – garantiu.

29 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Presente para Thiago Alves e Marlon

O título da Liga Mundial 2009, conquistado diante da Sérvia, teve um gosto a mais para dois jogadores brasileiros. Tanto Thiago Alves, que completou 23 anos no domingo (26.07), quanto Marlon, que faz 32 nesta segunda-feira (27.07), receberam um presente especial: a medalha de ouro, inédita para ambos.

Importantes na campanha do Brasil na competição, os dois sabem que dias como esse domingo não são repetidos assim tão facilmente. Por isso, aproveitaram para comemorar ao máximo a vitória.

– Recebi o melhor presente de toda a minha vida. Eu já tinha até jogado no dia do meu aniversário, mas nada se compara a isso aqui. Eu nunca poderia me imaginar com essa medalha no peito. Foi um jogo muito emocionante e, mesmo sem ter entrado, me sinto como se estivesse lá na quadra. Somos todos vencedores e sabemos que o grupo é um só. Estamos sempre preparados para jogar – afirma Thiago Alves.

Marlon completou 32 anos dentro do ônibus, voltando para o hotel, e fez questão de dividir o momento especial com a família.

– Foi o melhor presente dos últimos anos. Fiquei muito emocionado com o título e toda minha família também. A galera toda viu o jogo lá em Curitiba. Nesses momentos eu sempre faço questão de agradecer ao meu pai, meu maior incentivador. Ele é responsável por tudo isso que estou vivendo – diz Marlon, que já tem destino certo ao chegar ao Brasil. – Direto para Curitiba encontrar a família – finaliza o levantador brasileiro.

29 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Bernardinho e Ary Graça elogiam nova geração

A nova geração da seleção brasileiradesembarcou nesta terça no Rio de Janeiro com o troféu da Liga Mundial 2009, conquistado no último domingo  após a vitória dramática sobre a Sérvia, em Belgrado, por 3 sets a 2. Depois de dois ciclos olímpicos vitoriosos, o time dirigido por Bernardinho foi renovado e, no primeiro grande desafio, a equipe mostrou que tem tudo para seguir a mesma trajetória de vitórias da equipe anterior.

Esta foi a oitava medalha de ouro conquistada pelo Brasil na Liga Mundial. Agora, o time brasileiro, ao lado da Itália, é o maior vencedor da competição. E a equipe verde-amarela tem tudo para superar os italianos. Dos 14 jogadores que subiram ao lugar mais alto do pódio na Sérvia, 12 tiveram passagens vitoriosas pelas seleções brasileiras de base. Ao todo, são 14 medalhas – seis de ouro, sete de prata e uma de bronze.

– Essa garotada está de parabéns. Foi uma vitória da superação. Foi mais de um mês viajando, longe da família e dos amigos, com um único objetivo. A equipe está renovada, mas continua vitoriosa. Esse novo grupo é fruto do trabalho feito nas seleções de base. Tenho a certeza de que temos voleibol de alto nível técnico para mais 15 ou 20 anos. Agradeço o esforço e a dedicação de todos – parabenizou Ary Graça, presidente da Confederação Brasileira de Voleibol.

Dois oito títulos brasileiros, sete tiveram o mesmo comandante: Bernardinho. Assim como em 2001, o treinador formou um time que mescla jogadores experientes com jovens talentos. E, para o técnico, o espírito deste novo time está sendo criado.

– Começamos a montar o espírito coletivo deste grupo. Um espírito vencedor. Mas precisamos colocar os pés no chão e saber que temos muito trabalho pela frente – disse Bernardinho, lembrando que a equipe terá folga de uma semana e se reapresentará no próximo domingo, no Centro de Desenvolvimento do Voleibol – Saquarema.

O próximo desafio do time será o Campeonato Sul-Americano, entre os dias 14 e 21 de agosto, em Cali, na Colômbia. A competição classificará o campeão para a Copa dos Campeões, em novembro, no Japão.

Bernardinho lembrou que a garotada passou no primeiro teste de fogo que teve pela frente.
– O maior empecilho que tivemos nesses últimos anos no trabalho de renovação foi a qualidade e a eficiência da geração anterior. Chegamos às finais com o objetivo de ver em que nível nós estávamos. Depois da primeira partida, tive a certeza de que este grupo pode brigar de igual para igual com qualquer equipe. Este título fortalece o grupo. Mas é importante que não se crie ilusões prematuras e excessivas – ressaltou Bernardinho.

29 de julho de 2009 Posted by | Notícias | Deixe um comentário

Em recuperação de outra cirurgia, Samuel festeja título

Me lembrei da final de 2005, também contra a Sérvia, quando vencemos por 3 a 1 na casa deles

Me lembrei da final de 2005, também contra a Sérvia, quando vencemos por 3 a 1 na casa deles

Presente nas conquistas do Brasil nas Ligas Mundiais de 2005, 2006 e 2007, o atacante do Sada Cruzeiro, Samuel Fuchs, viveu momentos de nostalgia no último domingo, ao ver a seleção brasileira conquistar o octacampeonato da competição, na final sobre a Sérvia, por 3 a 2. Nome em todas as convocações do técnico Bernardinho nos últimos anos, esta foi a primeira Liga Mundial que o jogador de 25 anos não participa, desde que passou a integrar a seleção adulta. Mas para Samuel valeu a torcida.

– Fiquei muito contente com a vitória do Brasil. Assisti em casa ao jogo contra a Sérvia. Vibrei muito. Me lembrei da final de 2005, também contra a Sérvia, quando vencemos por 3 a 1 na casa deles. Como a gente perdeu a Liga Mundial e a Olimpíada no ano passado, havia uma expectativa muito grande de como o time ia se comportar. Sou amigo de todos na seleção e fico muito feliz pelo resultado. Não pude participar agora. Com certeza espero retornar à seleção no futuro, mas meu principal objetivo é voltar a jogar, aqui no Sada Cruzeiro – afirma o jogador.

Samuel Fuchs passou por uma cirurgia no ombro direito em setembro de 2008. Em junho deste ano, já no Sada Cruzeiro, o atleta foi submetido a uma artroscopia e foi feita uma limpeza de uma reação inflamatória pós-cirúrgica, causa das dores e desconforto que ele vinha sentindo. Desde então Samuel vem tendo uma excelente recuperação e já treina normalmente com o grupo celeste, fazendo um trabalho de fortalecimento muscular.

– Estou muito diferente do que eu estava há alguns meses atrás. Estamos fazendo um trabalho forte de preparação física. Estou me sentindo cada dia melhor. Lógico que ainda estou longe do ideal, mas acredito que já esteja com uns 60% do meu potencial de força. Na parte técnica não perdi muito. A expectativa é que dentro de alguns meses eu esteja bem melhor e vamos nos preparar para a Superliga. Estou muito feliz, em um meio que está favorecendo, em uma equipe que eu gosto. O clima é muito bom, dentro e fora de quadra estou contente e isso também ajuda na recuperação – conta.

29 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Sem sustos, Brasil vence Peru e leva título em Betim

Em uma partida muito fácil, o time de Zé Roberto Guimarães conquista o terceiro título de 2009. Agora, é o Grand Prix, no Maracanãzinho

Em uma partida muito fácil, o time de Zé Roberto Guimarães conquista o terceiro título de 2009. Agora, é o Grand Prix, no Maracanãzinho

Um ano e 13 dias. Seis competições, seis títulos. Três destas conquistas foram alcançadas em 2008 – Grand Prix, Jogos Olímpicos de Pequim e Final Four. Neste domingo, um dia após garantir a classificação para o Campeonato Mundial 2010, a seleção brasileira assegurou sua sexta vitória – a terceira de 2009. Campeã da Montreux Volley Masters e da Copa Pan-Americana, o Brasil venceu o Peru na decisão do Torneio Classificatório para o Mundial, na cidade mineira de Betim, por 3 sets a 0, com parciais de 25/14, 25/12 e 25/12. Mari, com seis pontos, foi quem mais marcou no primeiro set. No primeiro tempo técnico, o Peru saiu na frente 7/8, após um erro de finalização do Brasil. Mas o time peruano parou aí. Thaísa marcou três pontos consecutivos, e em seguida, o ataque adversário desperdiçou duas chances seguidas: 12/8 para a seleção brasileira. No segundo tempo técnico o placar era de 16/12. Em 23 minutos, o Brasil fechou o set em 25/14, após um erro de finalização das peruanas. No segundo set, as mineiras Sheilla e Sassá, “queridinhas” da torcida em Betim, colocaram a seleção brasileira na frente: 2/0. Em quatro minutos, veio o primeiro tempo técnico, e o Brasil já abria uma vantagem de cinco pontos: 8/3. Fabiana foi a responsável pelo 16º ponto brasileiro (16/6) para o segundo tempo técnico. Em um ace, a equipe brasileira chegou à vitória por 25 a 12, em 19 minutos. Mari, mais uma vez, foi a principal pontuadora, com nove acertos. No início do terceiro set, a equipe peruana saiu na frente: 2/4, após um ataque para fora do Brasil. Mas foi a vez de a seleção do Peru errar: foram três erros consecutivos, e o placar chegou ao empate em cinco pontos. Fabiana brilhou no bloqueio, fazendo o oitavo e nono pontos. No marcador em 12/7, a torcida que quase lotou a arquibancada do ginásio Divino Braga, já gritava “É campeão! É campeão!” Mas os mesmos gritos ecoaram mais alto ainda no 22º ponto. Joycinha entrou em quadra e fez bonito: marcou dois pontos – um de bloqueio e um de finalização. O 24º ponto veio em um saque de Thaísa e o 25º, o do título, em um erro de ataque das peruanas: 25/12.

29 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Fotos dos Jocops em Bela Vista do Paraiso

1342

27 de julho de 2009 Posted by | JOCOP'S, Orientações Gerais, Temporada 2009 | 1 Comentário

Mais fotos dos Jocops em Ivaipora

12346

27 de julho de 2009 Posted by | JOCOP'S, Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Bernardinho e Giba falam do novo grupo

Time de vôlei que se preze tem líder dentro e fora da quadra. E na seleção brasileira masculina adulta não é diferente. Se no banco de reservas o técnico Bernardinho é quem dita as ordens para os jogadores, dentro do retângulo laranja, os jogadores também têm seu líder, o capitão Giba.

O Presidente da FIVB Jizhong Wei entregando o trofeu a Giba da World League

O Presidente da FIVB Jizhong Wei entregando o trofeu a Giba da World League

Presentes em seis conquistas antes do título de 2009 da Liga Mundial, os dois eram só elogios ao novo grupo que está sendo formado. Emocionados com a medalha de ouro, jogador e técnico estavam extasiados com a vitória.

– Foi a vitória da determinação, da superação. Esse titulo reflete o quanto esses rapazes trabalharam, o quanto foram dedicados. Foi uma experiência única para os novos jogadores, que disputaram uma final pela primeira vez. Fico muito orgulhoso com a postura que eles demonstraram. Todos estão de parabéns – afirma o comandante brasileiro, técnico mais vencedor da história da Liga Mundial, com um aproveitamento de 92,49% de vitórias.

Sobre o jogo, o treinador brasileiro fez uma análise crítica, mesmo com a vitória. Sempre ponderado em suas declarações, Bernardinho sabe que esse time tem muito a dar e vai trabalhar para tirar o que os jogadores têm de melhor.

– Foi maravilhoso vir aqui e conquistar um título depois de nossa campanha ano passado no Brasil. Acredito que essa geração ainda comete muitos erros e espero que eles continuem melhorando depois disso tudo. Vamos continuar competitivos no futuro – analisa Bernardinho.

Sobre o fato de ter levado o Brasil ao posto de maior vencedor da competição, ao lado da Itália, Bernardinho mostrou-se contente.

– É importante isso. Importante para o vôlei brasileiro e para esses jogadores. Essa geração atual herdou uma situação complicada, que é manter os títulos. Para mim, voltar ao topo depois de amargar uma colocação ruim ano passado é maravilhoso. Mas é bom destacar que o grupo anterior foi muito bem ano passado. Conseguir uma prata nos Jogos Olímpicos, depois de tudo que passamos na Liga foi espetacular. Valeu por tudo! Vamos trabalhar para manter o Brasil entre os melhores – conclui.

Autor do último ponto do jogo, o capitão Giba rejuvenesceu com o novo grupo. Com a felicidade estampada no rosto, ele credita à todos o sucesso na Sérvia.

– Foi fantástico isso aqui. Maravilhoso. Acho que o gás dessa molecada me dá cada vez mais vontade de ganhar. A vontade de vencer deles foi fundamental. A experiência ficou por minha conta. Na hora que precisou ser usada, usei – diz Giba, explicando como se motiva durante tantos anos vitoriosos.

– Quando saio com o ouro numa competição, fico emocionado como se fosse o primeiro. Tem que ser assim. Se você passar a pensar que é o segundo, o terceiro, você fica achando que está no topo. Essa é a situação mais fácil para te derrubar. Não podemos nos acomodar nunca – explica Giba.

Sobre a partida, Giba brincou que não precisava ser tão emocionante.

– Eu não tenho mais idade para aguentar essas coisas, não. Não precisava ser tão complicado. Mas no final, ao ver a bandeira sendo erguida e ouvindo o hino, dá aquele nó na garganta. Dá a certeza e o orgulho de saber que estamos representando o Brasil bem – finaliza Giba.

27 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Serginho faz história como o melhor jogador da Liga Mundial

 

O MVP da Liga Mundial

O MVP da Liga Mundial

Todo ano os jogadores que disputam a Liga Mundial sonham em ser eleitos o melhor da competição. Geralmente este prêmio é dedicado a atacantes ou levantadores, mas em 2009 foi diferente. Pela primeira vez na história um líbero levou o troféu e não poderia ser outro senão Serginho, do Brasil.

Ele não acreditou quando o locutor do ginásio anunciou seu nome como o melhor jogador. Visivelmente emocionado, ele nem sabe explicar o que sentiu na hora.

– Sinceramente, eu não estou nem acreditando ainda. Foi uma emoção muito grande. Geralmente esse prêmio vai para levantador, atacante, nunca para líbero – diz, sem perceber que estava sendo pioneiro.

Serginho, que jogou toda a fase final com uma dor incômoda nas costas, dividiu o mérito do título individual e fez questão de falar que cada jogador tem uma importância fundamental na seleção.

– Todos aqui são importantes para que o time vença. É difícil encontrar palavras que descrevam o que estou sentindo. Conquistar um título, complicado do jeito que foi, com essa molecada é demais. Alguns aqui não tinham vivido nem uma final. Foi incrível – afirma.

27 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Brasil vence Sérvia, torcida e árbitro e é campeão da Liga

 

Em uma decisão emocionante, equipe de Bernardinho mostra força e conquista o oitavo título brasileiro da Liga Mundial, igualando a marca da Itália

Em uma decisão emocionante, equipe de Bernardinho mostra força e conquista o oitavo título brasileiro da Liga Mundial, igualando a marca da Itália

O Brasil derrotou a Sérvia dentro de casa e se sagrou campeão da Liga Mundial 2009. A equipe comandada pelo técnico Bernardinho venceu no tie break, com parciais de 22/25, 25/23, 25/22, 23/25 e 15/12, e se tornou o maior vencedor da história da competição com oito conquistas, ao lado da Itália.

 

Quando o placar mostrava 14/13 para o Brasil, no quarto set, uma situação inusitada. Depois de várias decisões polêmicas, sempre a favor do time sérvio, um dos árbitros de linha foi substituído.

Na mesma parcial, quando o placar mostrava 21/21, um bloqueio voltou na cabeça do oposto Miljkovic. Mesmo assim a arbitragem deu ponto para os sérvios. No entanto, a mesa de delegados da Federação Internacional de Vôlei chamou o árbitro e concedeu o ponto ao Brasil.

O JOGO

No primeiro set a defesa sérvia estava fazendo milagre. A eficiência no fundamento fez com que o time da casa conseguisse abrir três pontos logo no início: 5/2. No entanto, o bloqueio brasileiro também mostrava a eficiência dos outros jogos, tocando em vários ataques do adversário.

Com isso, o Brasil conseguiu empatar: 5/5. No entanto, após um erro da arbitragem, os sérvios abriram novamente. Sidão atacou no fundo de quadra da Sérvia, na posição cinco, mas o árbitro deu bola fora: 7/5 Sérvia.

O saque brasileiro, que até então não tinha entrado em jogo, foi o responsável pela virada no placar: 11/10 num ace do meio-de-rede Lucas. O equilíbrio tomou conta da partida e os times trocaram pontos até que num ataque para fora de Murilo os sérvios fizeram 16/15.

O Brasil voltou a passar a frente no placar num ace do levantador Bruno: 17/16, mas perderam a ponta num ataque do oposto Miljkovic: 18/17, e aumentaram num bloqueio do meio-de-rede Podrascanin: 20/18.

Um ace do oposto Sérvio aumentou a diferença: 22/19, mas o Brasil voltou a encostar num erro do ponteiro Nikic: 23/22 Sérvia, que fechou 25/22, após Miljkovic explorar um block brasileiro na saída de rede.

Na segunda parcial, quem abriu vantagem no início foi o time brasileiro. Numa bola de meio-fundo e de um bloqueio de Murilo o Brasil fez 4/2 e manteve a distância até o primeiro tempo técnico, 8/6 num ataque de Lucas.

O placar ficou mais dilatado quando Vissotto conseguiu virar uma bola levantada pelo líbero Serginho na entrada de rede: 10/7. No entanto, a Sérvia conseguiu empatar e virar o jogo, após um ataque do ponteiro Janic, na entrada de rede, e um do oposto Milkovic, na saída: 15/14 para os donos da casa.

Mantendo a tranqüilidade, o time brasileiro foi buscar o empate e também virou o jogo a seu favor: 16/15 num ace do levantador Bruno. Sidão deu moral ao time brasileiro com um grande bloqueio em cima do oposto sérvio e manteve a pequena diferença: 20/19.

As equipes trocaram pontos até que num rali o ponto acabou a favor dos brasileiros. O meio-de-rede Lucas pegou um ataque do ponteiro Nikic e fez 24/22. Vissotto fechou a parcial num ataque na saída de rede: 25/23.

O terceiro set começou bem para os brasileiros. O meio-de-rede Lucas abriu o placar, Murilo marcou numa jogada de meio-fundo e o oposto Leandro Vissotto conseguiu bloquear um ataque sérvio: 3/0.

A diferença aumentou e no primeiro tempo técnico o Brasil já estava quatro pontos a frente: 8/4, num ataque do meio-de-rede Sidão. Quando a equipe brasileira conseguiu aumentar mais a vantagem, num ataque de Leandro Vissotto, o técnico sérvio foi obrigado a pedir tempo.

No entanto, a conversa parece não ter surtido efeito, 12/6 para o Brasil num ataque de Vissotto, na saída de rede. Concentrado, o time brasileiro dominava a partida e outro tempo foi solicitado pelo técnico da Sérvia quando o placar estava 15/8. Em seguida, o oposto brasileiro fez um ace e marcou 16/8.

O tempo técnico fez bem ao time da casa, que marcou duas vezes seguidas: 16/10. Novamente a Sérvia marcou dois pontos consecutivos: 18/14, fazendo com que Bernardinho pedisse tempo.

Foi a vez do Brasil marcar três pontos. Bruno sacou flutuado e fez 21/14, num erro de recepção da Sérvia, que ainda tentou voltar para o jogo. Mas não adiantou, Giba virou uma bola na entrada de rede e fechou: 25/22.

Na quarta parcial a sorte parecia estar do lado brasileiro. Giba foi para o saque e marcou um ace, após a bola tocar caprichosamente na rede e cair na quadra adversária: 6/3.

Os sérvios não se entregaram, conseguiram empatar 7/7, num bloqueio do ponteiro Janic, e viraram o jogo: 10/9. Nada que fizesse o Brasil se perder na partida. Bruno bloqueou um ataque da Sérvia e Giba acertou dois saques: 15/13.

Novamente a arbitragem foi tendenciosa à favor da Sérvia. Após um bloqueio na entrada de rede, a bola voltou no oposto Miljkovic e, mesmo assim, o ponto foi dado para os sérvios: 22/21 para os donos da casa.

A mesa dos delegados mandou voltar o ponto e o Brasil foi quem marcou 22/21. Os sérvios conseguiram buscar a diferença e fechara num ataque para fora do oposto Leandro Vissotto: 25/23.

O set decisivo começou com um Brasil concentrado. Murilo virou um ataque na saída de rede e Lucas bloqueou o ponteiro Janic: 2/0. Digna de uma final, a partida se equilibrou. Os sérvios empataram e viraram o jogo. A vantagem do time da casa aumentou para dois pontos quando o oposto Miljkovic fez um ace e acertou um ataque: 6/3.

O bloqueio brasileiro apareceu no jogo e, após dois blocks de Murilo em cima de Miljkovic, o time verde-amarelo encostou: 8/7 Sérvia. O Brasil empatou num bloqueio do oposto Leandro Vissotto: 10/10, e virou numa jogada de meio-fundo com Murilo: 11/10.

Um erro sérvio fez a diferença aumentar: 12/10. Bernardinho trocou Giba por Éder, aumentando o bloqueio. Mas foi vissotto que marcou o penúltimo ponto brasileiro: 14/11.

O último ponto estava reservado para o capitão brasileiro. Giba foi acionado na entrada de rede e colocou a bola no chão. Brasil campeão pela oitava vez.

27 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Os melhores da World League 2009

 

The Best players

The Best players

 

 

MVP Sergio Dutra Santos (BRAZIL), Melhor pontuador Ivan Miljkovic (SERBIA), Melhor atacanta e bloqueador Roberlandy Simon (CUBA), Melhor saque Wilfredo Leon (CUBA), Melhor libero Alexey Verbov (RUSSIA), Melhor levantador Nikola Grbic (SERBIA)

27 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Francisco Beltrão lança Fase Final

Faltando menos de quatro meses para a realização da fase final dos 52.º Jogos Abertos do Paraná em Francisco Beltrão, a Paraná Esporte e Prefeitura de Francisco Beltrão realizaram esta semana, no Espaço da Arte, o lançamento oficial do evento, que ocorre de 23 de outubro a 1.º de novembro. 
O Espaço da Arte esteve lotado para o evento, que marcou também o lançamento da logomarca da competição. Gabriel Ulsenheimer, que ganhou o concurso para a escolha da logomarca, recebeu das mãos do prefeito um cheque de mil reais como premiação. 
A administração municipal fez questão de evidenciar a importância da imprensa regional para a realização do evento. Para isso, o prefeito Reichembach entregou o material de divulgação a cada representante dos veículos de comunicação que estavam presentes. 

Japs Painel

Japs Painel

Segunda edição
Para o diretor do Departamento de Esportes, Everton Gomes, a meta é tornar a edição deste ano ainda melhor que a de 2005, quando Francisco Beltrão foi sede também. “Vamos receber os melhores atletas e eles precisam de condições adequadas. O saldo dos Jogos Abertos é a estrutura física que fica para a população. Mas vamos trabalhar para que, mesmo depois dos jogos, essas praças continuem movimentadas”, comentou Everton. 
“O esporte se confunde com a história das civilizações, por isso é muito importante também para Francisco Beltrão. Temos total confiança nesta equipe que está trabalhando e vamos fazer uma fase final exemplar”, discursou Wilmar Reichembach. 
Mauro Cachel, da Paraná Esporte, salientou que o município cumpriu muito bem o seu papel em 2005. “Depois que o município realiza a fase final pela primeira vez, não é feita novamente no mesmo local se a edição anterior não for bem organizada. E Francisco Beltrão conseguiu boas referências em 2005”, disse Mauro. 
Para Aires Tomazoni, chefe do Núcleo Regional de Educação, o município começou a se destacar quando sediou a fase regional dos Jogos Colegiais, ainda em 2002: “A cada ano Francisco Beltrão melhorou a estrutura. Tanto que em 2005 trouxe o maior evento esportivo do Paraná”.

24 de julho de 2009 Posted by | JAP'S, Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Sem brilho da estreia, Brasil vence Argentina e está na semi da Liga

 

Leandro Visotto no bloqueio; o jogador foi um dos destaques da vitória, com 11 pontos

Leandro Visotto no bloqueio; o jogador foi um dos destaques da vitória, com 11 pontos

O Brasil garantiu uma vaga na semifinal da Liga Mundial, nesta sexta-feira, após superar a Argentina por 3 sets a 0 (25-20, 25-22 e 25-20), em Belgrado, na Sérvia. A equipe terminou na primeira colocação do Grupo F – que também teve Cuba como classificada – e enfrenta o perdedor de Rússia e Sérvia, neste sábado, na luta por uma vaga na decisão. Ao contrário do duelo contra Cuba, o bloqueio brasileiro não funcionou diante da equipe argentina. Em contraste com os 17 pontos do dia anterior, os brasileiros encaixaram apenas dois pontos no fundamento. Giba e Leandrão foram os principais pontuadores da equipe, com 11 pontos cada. Pelo lado da Argentina, destaque para Garcia, que também marcou 11 pontos. Durante o segundo set, o meio-de-rede brasileiro Rodrigão acabou sofrendo uma lesão no braço esquerdo ao dar um peixinho e assistiu ao resto da partida com uma bolsa de gelo na região. Em seu lugar entrou Sidão, que não decepcionou e fez uma boa partida. As duas equipes se estudaram no início do jogo e o vôlei brasileiro começou a se destacar após um ponto de saque de Murilo, seguido de um ataque certeiro de Giba, que levaram a equipe para o primeiro tempo técnico com uma vantagem de 8 a 3. O Brasil manteve uma diferença segura no placar e administrou a vitória no primeiro set com tranquilidade, até fechar em 25 a 20. A segunda etapa foi marcada pelo equilíbrio entre as duas equipes. Após estar vencendo por 8 a 6, os brasileiros permitiram que os argentinos marcassem três pontos seguidos e assumissem pela primeira vez o comando do placar. Sem Rodrigão, que sentiu uma lesão no braço esquerdo, o Brasil seguiu trocando pontos com o adversário até a parte final, quando um ótimo saque de Giba recolocou a equipe em vantagem. Com calma e beneficiados por um erro adversário, o brasileiros fecharam a parcial em 25 a 22. No terceiro set, o Brasil chegou a estar vencendo por cinco pontos no início, mas permitiu uma reação dos adversários, que encostaram no placar. No entanto, Sidão, substituto de Rodrigão, começou a se destacar e, em dois ataques, devolvou ao Brasil uma vantagem segura no marcador. Com tranquilidade, a equipe foi abrindo no placar até fechar o set e o jogo em 25 a 20.

24 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Clássico sul-americano por vaga

 

Clássico sul-americano

Clássico sul-americano

Depois de encarar e vencer os rivais cubanos o Brasil enfrentará nesta sexta-feira outro velho conhecido, a Argentina, às 12h30 (horário de Brasília), na Beogradska Arena, em Belgrado, Sérvia. Depois de perderem o primeiro jogo contra os cubanos, os argentinos precisam da vitória para continuarem na competição. Os brasileiros podem até perder que podem conseguir avançar às semifinais nos quesitos de desempate.

 

Ciente de que seu time pode render mais depois da vitória contra Cuba, o técnico Bernardinho prega respeito à Argentina.

– Estou muito feliz com a vitória diante de Cuba. Começamos com a pressão da estréia sobre nós, mas nosso bloqueio e saque funcionaram bem. Fazer 17 pontos de bloqueio diante dos cubanos é muito bom. Agora, diante dos argentinos, temos que manter nossos pontos positivos e pensar em jogar soltos, como eles farão. A Argentina tem uma maneira diferente de jogar e precisamos trocar a nossa também. O momento é de focar em conseguir outro bom resultado – afirma Bernardinho, elogiando o trabalho do treinador argentino Javier Weber.

– A Argentina evoluiu bastante nos últimos anos, principalmente depois da chegada do Weber. Eles têm um bom time e serão adversários perigosos – conclui Bernardinho.

O meio-de-rede Rodrigão aponta outro ponto a ser observado pelos brasileiros.

– Eles vem com tudo para este jogo. Sem dúvida jogarão todas as bolas como se fosse a última. Essa partida contra nós decide tudo para eles. Devemos ficar espertos e não errar tanto como fizemos diante de Cuba. Podemos já ter uma vitória no grupo, mas quando entramos em quadra sempre temos a pressão de um bom resultado do nosso lado – avalia Rodrigão.

Do outro lado, o técnico Javier Weber vai de encontro com o que disse o jogador brasileiro.

– Espero fazer um grande jogo contra, na minha opinião, o melhor time do mundo. Nós estamos crescendo como time e, assim como o Brasil, trocamos algumas peças presentes no último ciclo. Precisamos da vitória para seguir na competição e a Argentina não é um time acostumado com a pressão, assim como são os brasileiros. Será uma parada dura, mas esperamos fazer um jogo melhor do que nosso primeiro contra Cuba. Minha idéia como técnico é sempre fazer a última partida melhor que a penúltima e assim sucessivamente – diz Weber.

23 de julho de 2009 Posted by | Notícias, Temporada 2009 | Deixe um comentário

Brasil estreia com vitória na Liga Mundial

 

Thiago Alves substituiu Giba no terceiro set e foi um dos destaques brasileiros no triunfo sobre a promissora seleção cubana, em Belgrado, na Sérvia

Thiago Alves substituiu Giba no terceiro set e foi um dos destaques brasileiros no triunfo sobre a promissora seleção cubana, em Belgrado, na Sérvia

O Brasil estreou bem nas finais da Liga Mundial 2009 nesta quinta-feira. O time comandado pelo técnico Bernardinho superou os rivais cubanos por 3 sets a 1 (25/17, 23/25, 25/17 e 25/19),na Beogradska Arena, e tirou de cima de si o peso do primeiro jogo. O oposto Leandro Vissotto e o ponteiro Murilo foram os maiores pontuadores do confronto, com 17 acertos cada. No primeiro set, o Brasil começou cometendo alguns erros, que colocaram Cuba em vantagem no marcador. Na primeira parada técnica, os cubanos estavam na frente (8/5), mas tinham marcado apenas três vezes. Os outros cinco pontos haviam sido de falhas brasileiras. A conversa com o técnico Bernardinho surtiu efeito e os brasileiros marcaram quatro pontos seguidos, numa sequência de saques colocados do meio-de-rede Rodrigão, e viraram o jogo (9/8). A diferença aumentou ainda mais, devido ao forte bloqueio verde-amarelo (12-8). Nesses pontos consecutivos, o Brasil bloqueou cinco vezes os ataques dos cubanos, duas vezes com o meio-de-rede Lucas, outras duas com o ponteiro Murilo e mais uma com o levantador Bruno. O paredão brasileiro apareceu mais vezes durante o set e Cuba não teve chances: 25/18, numa bola de tempo atrás de Lucas. O oposto Leandro Vissotto também se destacou, marcando cinco pontos de ataque. Na segunda parcial, os cubanos equilibraram o jogo. Com uma recepção melhor, o time caribenho conseguiu estar igual no placar até uma outra sequencia de saques do meio-de-rede Rodrigão: 8/6 Brasil, após um bloqueio de Murilo e uma bola de xeque marcada por Bruno. O espírito guerreiro do time brasileiro ficou marcado em uma defesa do do levantador Bruno, que resultou no décimo ponto da equipe verde-amarela, e uma recepção do líbero Serginho, que resultou no 12°. Os cubanos não desistiram do jogo e voltaram a sacar bem. Em um ace do ponteiro Leal, os adversários brasileiros passaram a frente (15/14). O Brasil ainda chegou a passar na frente do placar com três pontos do ponteiro Murilo, duas bombas no saque e uma no ataque, mas Cuba levou a melhor. Em um ace do meio-de-rede Simon, a equipe cubana passou novamente a frente (22/21) e conseguiu fechar: (25/23). No terceiro set o Brasil voltou a jogar melhor. Com mais eficiência na relação saque/bloqueio, o time comandado pelo técnico Bernardinho chegou à primeira parada técnica três pontos: 8/5, num ace do ponteiro Giba. Giba acertou mais um em seguida e os brasileiros abriram mais um ponto: 9/5. A vantagem aumentou ainda mais quando Lucas e Murilo bloquearam, uma vez cada, ataques cubanos (13/7). A vantagem aumentou mais quando Lucas acertou mais um saque. O meio-de-rede brasileiro flutuou a bola e contou com a falha na recepção cubana: 19/12. Cuba encostou no placar (21/17), mas o Brasil se concentrou e fechou: 25/17, após três aces do ponteiro Thiago Alves, que havia entrado no lugar de Giba. Na quarta e última parcial, o Brasil dominou desde o início. Uma sequencia de saques do meio-de-rede Lucas complicou a recepção cubana e os brasileiros abriram logo quatro pontos: 8/4. Cuba voltou ao jogo e encostou no placar (10/9), mas o Brasil voltou a abrir uma boa vantagem: 16/11, num medalhão do ponteiro Murilo do ponteiro cubano Leal. O time caribenho voltou a incomodar e diminuiu a diferença para um ponto: 18/17. No entanto, o Brasil manteve a calma e, novamente em três aces do ponteiro Thiago Alves abriu: 23/18, para depois fechar com o meio de rede Rodrigão, 25/19. Nesta sexta-feira o Brasil enfrenta a Argentina, às 12h30 (horário de Brasília), no mesmo local. BRASIL: Bruninho (5), Leandro Vissotto (17), Giba (5), Murilo (17), Lucas (15), Rodrigão (6) e Escadinha (líbero). Entraram: Thiago Alves (10), Rivaldo e Marlon. CUBA: Hierrezuelo (1), Camejo (1), Leon (10), Leal (13), Sánchez (5), Simón (12) e Gutierrez (líbero). Entraram: Cepeda (3), Bell (1), Dominico (4), Diaz (1).

23 de julho de 2009 Posted by | Notícias | 1 Comentário

PROCEDIMENTO DA SUBSTITUIÇÃO

CAPÍTULO CINCO – INTERRUPÇÕES, INTERVALOS &

RETARDAMENTOS

15.2.1 Interrupções regulamentares do jogo podem ser solicitadas pelo

técnico, ou na ausência do técnico, pelo capitão em jogo, e somente por

eles.

A solicitação é feita através da correspondente sinalização manual

quando a bola está fora de jogo e antes do apito para o saque.

15.10 PROCEDIMENTO DA SUBSTITUIÇÃO

(Substituição rápida) – 15.10.3a A real solicitação de

substituição é a entrada do jogador(es) substituto(s) na

zona de substituição, pronto para jogar, durante uma

interrupção regulamentar.

15.10.3.b Se isto não ocorrer, a substituição não está

garantida e a equipe é punida por um retardamento.

15.10.3c A solicitação de substituição é reconhecida e

anunciada pelo apontador ou segundo árbitro,

respectivamente pelo uso da campainha ou apito.

23 de julho de 2009 Posted by | Orientações Gerais, Regras Oficiais | 2 Comentários